Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10437/551
Título: Cultura visual e exibição artística: o observador emergente
Autores: Rosa, Jorge Leandro
Palavras-chave: COMUNICAÇÃO
COMUNICAÇÃO VISUAL
ESTÉTICA DA COMUNICAÇÃO
COMMUNICATION
VISUAL COMMUNICATION
COMMUNICATION AESTHETICS
Data: 2007
Editora: Edições Universitárias Lusófonas
Resumo: complexificação das tecnologias de consumo, os procedimentos associados à percepção visual tornaram-se o objecto central da própria visão e, consequentemente, colocaram-se no centro da teoria. Num certo sentido, podemos afirmar que uma nova compreensão, quer da luz, quer da temporalidade, se tornou na principal fonte da fenomenologia do século XX e da ontologia das artes visuais. A modernização tecnológica também efectuou uma reavaliação da visão, abrindo caminho para uma nova compreensão da imagem e da percepção visual nas artes tecnológicas contemporâneas. A Estética é, agora, uma disciplina filosófica essencialmente preocupada com a luz e com a percepção. Pode a História da Arte coincidir com uma história da percepção? Nos nossos dias, e depois de um longo período de relação equívoca, o crítico de arte e o investigador académico do domínio artístico estão ligados por uma estranha assimetria cognitiva das suas narrativas: ao mesmo tempo que ambos se encontram no processo de abandonarem critérios próprios de avaliação da debilitada qualidade estética das obras de arte contemporâneas, devem assegurar que o quadro tecnológico que sustenta e dinamiza a arte contemporânea não se transforma em justificação teleológica da tecnologia em si mesma, sustentando o seu devir como sinónimo da arte. De facto, os cultural studies são, cada vez mais, confrontados com a necessidade de conceptualizarem a técnica enquanto elemento chave da cultura.
In the first half of the nineteenth century, the process of visual perception became a primary object of vision itself and theory. In a certain sense, we can say that a new understanding of both light and temporality is the main source for the 20th century’s phenomenology and ontology of visual art. Technological modernization also effected a revaluation of vision opening the path toward a new understanding of image and visual perception in contemporary technological arts. Aesthetics is now a philosophy mainly concerned with light and perception. Does the history of art coincide with a possible history of perception? In our days, the art critic and the art scholar are bound to a strange cognitive asymmetry of narratives: while they are in the process of turning away from a debilitated aesthetical quality in the present day work of art, they must assure, at the same time, that all the technological frames sustaining and dynamizing contemporary art do not become a teleological justification of technology in itself. In fact, cultural studies are increasingly confronted with the need of conceptualizing technology as culture. Digital image plays a central role in this sort of double-bind and defines today’s problematic phenomenon of the observer.
Descrição: Caleidoscópio : Revista de Comunicação e Cultura
URI: http://hdl.handle.net/10437/551
ISSN: 1645-2585
Aparece nas colecções:Caleidoscópio : Revista de Comunicação e Cultura nº 08 (2007)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
04_cultura_visual_e_exibição_artistica.pdf140.93 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.