Utilize este identificador para referenciar este registo: https://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/8537
Título: Governo e salvação do corpo : a lenta inflexão do discurso da salvação
Autores: Brás, José Gregório Viegas
Palavras-chave: EDUCAÇÃO
EDUCATION
BIOPOLÍTICA
BIOPOLITICS
CORPO HUMANO
HUMAN BODY
PRAZER
PLEASURE
DOENÇAS
DISEASES
ESTADO NOVO
PROFESSORES
TEACHERS
PORTUGAL
Data: 2010
Editora: Edições Universitárias Lusófonas
Relatório da Série N.º: 4
Resumo: Neste artigo, pretende-se analisar a forma como o aparecimento do Estado moderno veio colocar o problema do capital-vida, conduzindo à magna questão da salvação do corpo como uma das suas preocupações e uma das suas metas. Interessa-nos sobretudo saber como se deu início à operação de salvação do corpo, partindo do pressuposto que a formação do Estado e do governo visam, em última análise, conservar todos os membros da sociedade. A compreensão deste problema passa pela ideia da governamentalidade, conceito que expressa o trajecto intelectual de Foucault e que contém, por sua vez, o conceito de biopoder que toma forma com a ideia de biopolítica da população e com a anatomia política do corpo. Ao contrário da cura das almas o cuidar do corpo insere-se num certo uso terapêutico que exige novas competências. Procura-se fugir da doença porque agora valoriza-se não o sofrimento mas o bem-estar (salvação do corpo). A saúde passa a ser a chave de acesso aos prazeres e não o desejo de penitência que sacralizava o sofrimento. A nova relação saúde-doença, veio colocar a necessidade de salvar o corpo, uma vez que a antiga retórica religiosa da redenção é agora substituída por um discurso laico se bem que o auto-controlo e a reflexividade, enquanto espaços de gestão da liberdade individual, façam também parte integrante do governo de salvação. A sociedade salva-se na medida em que souber salvar o corpo.
URI: http://hdl.handle.net/10437/8537
ISSN: 2183-2102
2183-2102
Aparece nas colecções:Entretextos (2010)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
entretextos-04.pdf216.93 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.