Utilize este identificador para referenciar este registo: https://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/3458
Título: O controlo de álcool e drogas e a sinistralidade laboral nos comboios de Portugal: tratamento dos dados
Outros títulos: The control of alcohol and drugs and occupational accidents at the trains of Portugal: data analysis
Autores: Marques, Paulo Henriques dos
Jesus, Vasco de
Vairinhos, Valter
Abajo Olea, Serafín de
Jacinto, Celeste
Palavras-chave: HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO
ACIDENTES DE TRABALHO
PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO
CONSUMO DE ÁLCOOL
CONSUMO DE DROGAS
WORK RELATED ACCIDENTS
SAFETY AND HEALTH AT WORK
WORKPLACE ACCIDENTS PREVENTION
ALCOHOL CONSUMPTION
DRUGS CONSUMPTION
Data: 10-Fev-2011
Editora: Sociedade Portuguesa de Segurança e Higiene Ocupacionais, Guimarães
Citação: Marques, P.H., Jesus, V., Vairinhos, V., Abajo Olea, S., Jacinto, C., 2011. “The control of alcohol and drugs and occupational accidents at the «Trains of Portugal»: data analysis”. In: Arezes et al. (Eds), International Symposium on Occupational Safety and Hygiene - SHO’2011 (ISBN: 978-972-99504-7-6), Guimarães, Portugal, 10-11 Fev 2011, pp.373–377
Resumo: Embora o objectivo de redução de acidentes laborais seja frequentemente invocado para justificar uma aplicação preventiva de testes de álcool e drogas no trabalho, há poucas evidências estatisticamente relevantes do pressuposto nexo de causalidade e correlação negativa entre a sujeição aos testes e os posteriores acidentes. Os dados dos testes e dos acidentes ocorridos com os colaboradores de uma empresa transportadora portuguesa, durante anos recentes, são explorados, em busca de relações entre estas e outras variáveis biográficas. Os resultados preliminares obtidos sugerem que a sujeição a testes aleatórios no local de trabalho está associada a menos acidentes posteriores que os ocorridos na ausência desses testes, e que existe uma frequência óptima de testes acima da qual não se verifica redução de acidentes que justifique o investimento em aumento de testes. - Although the aim of reducing occupational accidents is frequently cited to justify preventive drug and alcohol testing at work, there is little statistically significant evidence of the assumed causality relationship and negative correlation between exposure to testing and subsequent accidents. Data mining of tests and accidents involving employees of a Portuguese transportation company, during recent years, searches for relations between these and other biographical variables. Preliminary results indicate that being subjected to random testing in the workplace is associated with fewer subsequent accidents that occur in the absence of such tests, and also that there is an optimum frequency of tests, above which there is no reduction of accidents to justify an increase of investment in testing.
Descrição: Arezes et al. (Eds), International Symposium on Occupational Safety and Hygiene - SHO’2011
URI: http://hdl.handle.net/10437/3458
ISBN: 978-972-99504-7-6
Aparece nas colecções:Actas de Conferências Internacionais (ISLA - Santarém)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Artigo Controlo_alcool_drogas_SHO 2011.pdfComunicação em conferência241.65 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.