Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10437/11918
Título: Adaptação da Coping Scale no contexto português : estudo das suas propriedades psicométricas
Autores: Antunes, Carla Margarida Vieira, orient.
Costa, Cláudia Marisa Ferreira da
Palavras-chave: MESTRADO EM PSICOLOGIA DA JUSTIÇA
PSICOLOGIA
PSICOMETRIA
COPING
BEM-ESTAR SUBJETIVO
CRESCIMENTO PÓS-TRAUMÁTICO
TESTES PSICOLÓGICOS
PSYCHOLOGY
PSYCHOMETRICS
COPING
SUBJECTIVE WELL-BEING
POST-TRAUMATIC GROWTH
PSYCHOLOGICAL TESTS
Data: 2021
Resumo: O coping é definido como uma resposta consciente que apresenta como propósitos/objetivos, lidar com uma situação de stress (Compas et al., 2001) e diminuir o impacto negativo da mesma (Pearlin & Schooler, 1978), mantendo o equilíbrio psicológico dos indivíduos (Kirchner et al., 2010). As estratégias de coping podem ser classificadas como adaptativas ou não adaptativas (Carver & Connor-Smith, 2010), e medeiam o impacto na saúde mental após uma situação de vida adversa (Shakespeare-Finch et al., 2005). Nesse sentido, estratégias de coping adaptativas estão relacionadas com diminuição do impacto negativo, enquanto que estratégias de coping não adaptativas encontram-se associadas a maiores níveis de stress (DeCuir-Gunby et. al, 2020) e maior impacto negativo (Arble et al., 2018). Apesar do significativo investimento científico no domínio do coping e dos esforços em Portugal na adaptação de medidas de coping, são, ainda, necessárias medidas breves/curtas que avaliem este construto. Assim, o presente estudo pretende preencher a lacuna existente na avaliação do coping, apresentando como objetivo adaptar e providenciar evidências de validade e fidelidade da escala Coping Scale (Hamby et al., 2015) no contexto português, analisando as suas características psicométricas. Participaram neste estudo 744 adultos, com idades compreendidas entre os 18 e os 64 anos (55.2% do sexo feminino), que preencheram um conjunto de instrumentos de autorrelato nomeadamente, o Inventário de Coping, a Escala de Crescimento Pós-traumático e a Escala de Satisfação com a Vida. Os resultados sugerem bons índices de ajustamento e valores adequados de consistência interna para o modelo unidimensional. Estratégias de coping adaptativas encontram-se positivamente correlacionadas com as dimensões de crescimento pós-traumático e de satisfação com a vida e negativamente correlacionadas com estratégias de coping evitante. Em suma, a presente escala aparenta constituir um instrumento de avaliação fiel e válido com potencialidade para o uso na população portuguesa.
Coping is defined as a conscious response that has the purpose/objective of dealing with a stressful situation and weakening its negative impact, maintaining the individuals’ psychological sense of balance. Coping strategies can be classified as adaptive or nonadaptive and mediates the impact on mental health after an adverse life situation. In this sense, adaptive coping strategies are related to lessened negative impact, while nonadaptive coping strategies are associated with higher levels of stress and higher negative impact. Despite the considerable scientific investment in Coping topic and the efforts in Portugal to adapt coping measures, short measures are still needed to assess this concept. Thus, the present study intends to fill the existing gap in the assessment of coping, aiming to adapt and provide evidence of validity and fidelity of the Coping Scale (Hamby et al., 2015) in the Portuguese context, through an analysis of its psychometric characteristics. In the present study 744 adult participants, aged between 18 and 64 years (55.2% female), were invited to fill a set of self-reporting instruments, namely, the Coping Inventory, the Post-traumatic Growth Scale and the Life Satisfaction Scale. Results suggest good fit statistics and adequate values of internal consistency for the one-dimensional model. Adaptive coping strategies are positively correlated with post-traumatic growth and life satisfaction dimensions and negatively correlated with avoidance coping strategies. Overall, the Coping Scale seems to be a promising psychological assessment measure to be used in clinical and research settings.
Descrição: Orientação: Carla Antunes ; co-orientação: Eunice Magalhães
URI: http://hdl.handle.net/10437/11918
Aparece nas colecções:Biblioteca - Dissertações de Mestrado
Mestrado em Psicologia da Justiça

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Cláudia Costa.pdfDissertação de Mestrado377.84 kBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.