Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10437/10319
Título: Dor sexual feminina : variáveis sociodemográficas e biopsicossociais associadas
Autores: Oliveira, Cátia Margarida dos Santos Pereira de, orient.
Ferreira, Diana Alexandra Pinto
Palavras-chave: MESTRADO EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE
PSICOLOGIA
PSICOLOGIA CLÍNICA
PSICOLOGIA DA SAÚDE
DOR
SEXUALIDADE
SEXOLOGIA
DADOS SOCIODEMOGRÁFICOS
GRAVIDEZ
PUERPÉRIO
PSICOPATOLOGIA
MINDFULNESS
PSYCHOLOGY
CLINICAL PSYCHOLOGY
HEALTH PSYCHOLOGY
PAIN
SEXUALITY
SEXOLOGY
SOCIODEMOGRAPHIC DATA
PREGNANCY
PUERPERIUM
PSYCHOPATHOLOGY
MINDFULNESS
Data: 2019
Resumo: A dor sexual pode ser definida como uma dor persistente que afeta muitas mulheres na sua atividade sexual sendo, frequentemente, de natureza crónica. Apesar de a crescente investigação demonstrar que este é um fenómeno influenciado por fatores biológicos, mas também, por fatores psicossociais, muitos profissionais de saúde continuam a apresentar uma visão redutora e excessivamente medicalizada do mesmo. São assim cada vez mais os argumentos de que a dor sexual é melhor explicada através de uma perspetiva biopsicossocial. O presente estudo teve como objetivo explorar diferentes variáveis biopsicossociais e sociodemográficas como variáveis médicas, variáveis relacionadas com o fenómeno da dor, atividade sexual, gravidez e contraceção em mulheres com dor sexual. Foi avaliada, ainda, a influência do mindfulness, dos pensamentos automáticos negativos e do funcionamento sexual em mulheres com dor sexual, comparando-as com mulheres da população geral. A amostra foi recolhida através de questionários online, a nível nacional e internacional. Participaram no presente estudo um total de 254 mulheres: 82 mulheres com dor sexual e 172 mulheres da população geral. Os resultados demonstraram que as mulheres com dor sexual apresentaram mais problemas de saúde física e psicológica, mais partos vaginais, e maior uso de contracetivos orais. Este mesmo grupo demonstrou também uma menor capacidade para ser mindful em contexto sexual, mais pensamentos automáticos negativos de fracasso/desistência, uma maior escassez de pensamentos eróticos e um menor funcionamento sexual quando comparado com as mulheres da população geral. Mulheres de outras nacionalidades não apresentaram diferenças das mulheres portuguesas ao nível das variáveis psicossociais, nomeadamente na capacidade para ser mindful, na presença de pensamentos automáticos e no funcionamento sexual. Contudo, apresentaram mais problemas de saúde e limitações na vida diária, do que mulheres portuguesas. Estes resultados confirma, assim, a importância das diferentes variáveis sociodemográficas e biopsicossociais na experiência de dor sexual, reforçando a necessidade de uma compreensão e avaliação mais alargadas de problemas desta natureza e conduzindo, assim, à necessidade de mudança de atitudes de diferentes profissionais de saúde.
Sexual pain can be defined as persistent pain that affects many women in relation to sexual activity and is often chronic in nature. Although growing research shows that this phenomenon is influenced by biological and psychosocial factors, many health professionals continue to have a reductive and overly medicalized view of it. Although, it is increasingly argued, that sexual pain is best explained through a biopsychosocial perspective. The present study aimed to explore different biopsychosocial and sociodemographic variables for women with sexual pain: such as medical, pain, sexual activity, pregnancy and contraception-related ones. Furthermore, the influence of mindfulness, negative automatic thoughts and sexual functioning was analyzed, comparing women with sexual pain and female general population. The sample was collected through online questionnaires, nationally and internationally. A total of 254 women participated in the present study: 82 women with sexual pain and 172 women from the general population. Results show, that women with sexual pain have more physical and psychological health problems, more vaginal births, more oral contraceptive use, less ability to be mindful in a sexual context, more negative automatic thoughts of failure/withdrawal, greater scarcity of erotic thoughts and poor sexual functioning compared to women in the general population. Women of other nationalities do not differ from portuguese women in terms of psychosocial variables, namely in their ability to be mindful, as well as in regard to their automatic thoughts and sexual functioning. However, they indicate more health problems and limitations in daily life than portuguese women. The results demonstrate the importance of different sociodemographic and biopsychosocial variables in the experience of sexual pain, reinforcing the need for a broader understanding and assessment of problems of this nature and thus leading to the need for changing attitudes of different health professionals.
Descrição: Orientação: Cátia Oliveira
URI: http://hdl.handle.net/10437/10319
Aparece nas colecções:Biblioteca - Dissertações de Mestrado
Mestrado Em Psicologia Clínica e da Saúde

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TeseMestradoClínicaDianaFerreiraULP.pdfDissertação de Mestrado1.62 MBAdobe PDFVer/Abrir


Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.