Edifício Tap/Montepio : do internacionalismo ao modernismo africano

DSpace/Manakin Repository

Edifício Tap/Montepio : do internacionalismo ao modernismo africano

Show full item record

Title: Edifício Tap/Montepio : do internacionalismo ao modernismo africano
Author: Esteves, Tiago Gomes Conceição Sequeira
Abstract: O objectivo da presente investigação consiste em analisar, através de um enquadramento histórico e de uma análise formal, a produção realizada em território das antigas colónias portuguesas, mais especificamente na cidade de Lourenço Marques (actual Maputo) em Moçambique, com uma análise detalhada do edifício Tap/Montepio do arquitecto Alberto Soeiro. O modernismo português marcou Angola e Moçambique pela mão de uma geração de arquitectos recém-formados que conseguiram, em África, desenvolver um património descendente do Estilo Internacional, com um carácter de grande liberdade formal e experimentação plástica, através da ligação às artes figurativas, ao uso livre da cor, e da forte influência africana. Na primeira parte do estudo, é realizado um enquadramento histórico para compreender o contexto político e cultural vivido em Portugal e nas ex-colónias e a relação com a ida dos arquitectos para África. Através de uma análise à produção arquitectónica desenvolvida nos territórios ultramarinos e com um aprofundamento à produção realizada em Lourenço Marques entre 1950 e 1970, enquadram-se as influências e características deste património. Na segunda parte do presente estudo é analisado, em detalhe, o edifício Tap/Montepio de Alberto Soeiro, construído em 1960, tentando perceber e enquadrar as diferenças da arquitectura moderna portuguesa em territórios africanos – que designamos de Modernismo Africano, por se revelar como um património arquitectónico singular – em relação ao movimento internacional.The purpose of this research is to examine, through a historical framework and a formal analysis, the production in the territory of the former Portuguese colonies, more specifically in the city of Lourenço Marques (now Maputo) in Mozambique, with a detailed analysis of the building Tap / Montepio from the architect Alberto Soeiro. The Portuguese Modernism marked Angola and Mozambique by the hand of a generation of young architects who developed, in Africa, a descending heritage from the International Style, with a character of great formal freedom and plastic experimentation, by linking to the figurative arts, the free use of color and the strong African influence. In the first part of the study, we conducted a historical framework in order to understand the political and cultural context that was lived in Portugal and in the former colonies and the relationship with the departure of architects to Africa. Through an analysis to architectural work developed overseas territories and with a deeper study of production in Lourenço Marques from 1950 to 1970, we frame the influences and characteristics of this heritage. In the second part of this study we analyzed in detail, the building Tap / Montepio from Alberto Soeiro, built in 1960, trying to understand and frame the differences of modern architecture in Portuguese African territories - which we call African Modernism, to be revealed as a singular architectural heritage - in relation to the international movement.
Description: Orientação : Patrícia Santos Pedrosa
URI: http://hdl.handle.net/10437/6912
Date: 2013


Files in this item

Files Size Format View
Tiago_Esteves-Edificio_TapMontepio .pdf 4.464Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account