Imunoexpressão de alfa-actina do músculo liso e de desmina, contribuição para a caraterização do estroma dos adenocarcinomas do endométrio da gata

DSpace/Manakin Repository

Imunoexpressão de alfa-actina do músculo liso e de desmina, contribuição para a caraterização do estroma dos adenocarcinomas do endométrio da gata

Show full item record

Title: Imunoexpressão de alfa-actina do músculo liso e de desmina, contribuição para a caraterização do estroma dos adenocarcinomas do endométrio da gata
Author: Chafirovitch, Ariana Radar
Abstract: Os adenocarcinomas do endométrio da gata (AEG´s) são considerados raros, porém estudos recentes sugerem que os AEG´s possam ser mais frequentes do que o descrito pela literatura. O estroma modela o microambiente dos AEG’s desempenhando um papel essencial no seu comportamento e agressividade. Recorrendo à imunohistoquímica avaliamos a expressão de antigénios protéicos presentes no citoesqueleto, a desmina pertentence aos filamentos intermédios e alfa-actina pertence aos microfilamentos, em AEG´s papilares serosos (n=34), e foram utilizados como grupos controlo úteros de gatas sem doença (n=24) nas fases folicular e lútea. Avaliaram-se os diferentes epitélios, estroma, miométrio e os vasos do estroma e do estrato vascular. A invasão do miométrio poderá ser considerado um indicador importante de prognóstico destas lesões, sendo a desmina o anticorpo mais fiável para avaliar distintamente esta invasão, com aplicação vantajosa no diagnóstico. Os úteros durante o ciclo não apresentaram, em relação a estes dois marcadores, variações relevantes entre si. Encontraram-se diferenças significativas no estroma neoplásico com maior expressão da alfa-actina do músculo liso comparando-as com as fases normais, sugerindo fortemente a presença de miofibroblastos. Os vasos apresentaram maior marcação para a alfa-actina do músculo liso comparativamente com a desmina. A desmina apresentou imunoexpressão em células epiteliais neoplásicas, resultado significativo quando comparado com os grupos controlo. Estes resultados sugerem a existência de transição epitélio-mesenquima nos AEG’s.Feline endometrial adenocarcinomas (FEA) are considered rare, nevertheless recent studies suggest that they might be more common than literature describes. Microenvironment and stroma of FEA are critical features of neoplasms that play a major role in his aggressiveness and behavior. We evaluated the expression of protein antigens present in the cytoskeleton, desmin belongs intermediate filaments and alpha-actin belongs to microfilaments, by immunohistochemistry, in FEA papillary serous type, (n=34), and in normal uterus used as control groupe (n=24) in follicular phase and luteal phase. The distinctive structures as epithelial, stromal, myometrial, stroma vessels and stratum vascular vessels within the uterus were evaluated. The myometrial invasion could be considered as an important prognosis feature in the prognosis in this neoplasia, and the desmin is the most reliable antibody and clear marker to evaluated this invasion with useful a lication in the pathological diagnosis. With this two markers, the normal oestrus cycle uterus did not showed relevant variations among them. Significant differences were found in FEA stroma compared to the control group, with higher intensity for alpha actin that suggests the presence of myofibroblasts. In general vessels show a higher expression for alpha actin when compared to desmin. Neoplastic epithelial cells reveal higher immunexpression to desmin, results that are significant when compared to control group. Those results strongly suggested evidence of epithelial mesenchymal transition in FEA.
Description: Orientação: Maria dos Anjos Clemente Pires; co-orientação: Pedro Faísca
URI: http://hdl.handle.net/10437/7452
Date: 2016


Files in this item

Files Size Format View Description
Tese Com Júri.pdf 2.146Mb PDF View/Open Dissertação de Mestrado

This item appears in the following Collection(s)

Show full item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account