Análise palinológica e mineralógica de solos portugueses e o seu potencial na prática forense

DSpace/Manakin Repository

Análise palinológica e mineralógica de solos portugueses e o seu potencial na prática forense

Show simple item record

dc.contributor.advisor Almada, Frederico, orient.
dc.contributor.author Reis, Carina Isabel Carvalho dos
dc.date.accessioned 2012-01-23T18:12:02Z
dc.date.available 2012-01-23T18:12:02Z
dc.date.issued 2010
dc.identifier.uri http://hdl.handle.net/10437/1591
dc.description Orientador : Frederico Almada pt
dc.description.abstract O presente trabalho apresenta o estudo palinológico e mineralógico da camada superficial do solo, de dois Distritos de Portugal (Coimbra e Setúbal), com vista à determinação do potencial forense da utilização de amostras de solo, no que respeita à identificação do tipo de comunidade vegetal e material mineralógico da qual a amostra teve origem, que poderá ser utilizado para ligar pessoas e objectos ao local do crime. Para cumprir estes objectivos, foram recolhidas e estudadas amostras da camada superficial de solo, em locais com o mesmo tipo de comunidade vegetal (floresta mista) e diferente tipo de comunidade vegetal (dunas, matagal). Para o estudo polínico foram recolhidas 5 amostras de solo por local, totalizando 30 amostras, para o estudo da mineralogia foram recolhidas 2 amostras de solo por local, totalizando 12 amostras. Nas análises palinológicas das amostras identificaram-se 56 taxa sendo 5 de esporos, 2 de grãos de pólen de gimnospérmicas e 49 de grãos de pólen de angiospérmicas. Sempre que possível recorreu-se à caracterização das formas ao nível da espécie, contudo na maior parte dos casos a sua identificação foi feita ao nível do género. No que respeita ao estudo geológico foi realizada a análise granulométrica através da crivagem e por difracção a laser, originando como resultados a percentagem de minerais pesados contidos em cada amostra e a percentagem de minerais de fracção menor (argilas e siltes) e de fracção maior (areias, areão e seixo). A análise mineralógica foi efectuada através do estudo dos minerais por difracção de raios x em argilas, em lâminas glicoladas e pela fracção densa, resultando em valores quantitativos de minerais de quartzo, filossilicatos e feldspatos, em valores quantitativos e semi-quantitativos de minerais de ilite, moscovite, esmectite, clorite, interstratificados e caulinite e, por último, através do estudo da fracção densa, identificaram-se ao microscópio petrográfico, para cada amostra, os minerais pesados transparentes, num total de 12 tipos (alteritos, andaluzite, anfíbola, biotite, distena, epídoto, estaurolite, granada, moscovite, silimanite, turmalina e zircão). Por fim, contabilizaram-se os minerais opacos presentes em cada amostra.Os resultados obtidos sugerem que estes dois Distritos são extremamente díspares em termos palinológicos e mineralógicos, o que vem apoiar a ideia que numa cena de crime, o estudo do solo tem uma importância crucial, salientando assim o seu valor probatório e o seu potencial forense, sendo uma extraordinária ferramenta da investigação criminal, aliando pessoas aos locais do crime e/ou pessoas com pessoas, possibilitando assim, uma maior fiabilidade na caracterização do tipo de ambiente de onde uma amostra é originária. pt
dc.format application/pdf
dc.language.iso por pt
dc.rights openAccess
dc.subject BIOLOGIA pt
dc.subject PALINOLOGIA pt
dc.subject SOLOS pt
dc.subject BIOLOGY en
dc.subject PALYNOLOGY en
dc.subject SOILS en
dc.subject MESTRADO EM BIOLOGIA EVOLUTIVA pt
dc.title Análise palinológica e mineralógica de solos portugueses e o seu potencial na prática forense pt
dc.type masterThesis pt


Files in this item

Files Size Format View
Tese_Carina_Reis.pdf 5.332Mb PDF View/Open

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account